quinta-feira, 31 de março de 2011

quinta-feira, 17 de março de 2011

Por que Igreja em Células ?

" E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar e de anunciar a Jesus Cristo. " Atos.5:42

Para respondermos tal pergunta, precisamos entender o contexto da palavra célula e compará-lo ao significado que ela possui dentro do corpo.

Biológicamente falando, todo o corpo é formado por células; a célula é a menor parte do corpo e é nela que é gerada a energia necessária para o funcionamento do corpo.

Como a Igreja é o Corpo de Cristo (Ef.5:23), por que não uma igreja em células ?
Espiritualmente falando, o Corpo (Igreja de Cristo) são todos aqueles que  professam a fé em Cristo e que foram alcançados pelo concerto da graça de Deus.
Assim sendo, o que seriam então as células ? As células são grupos menores que compartilham os mesmos objetivos, visando o seu próprio crescimento bem como o crescimento de todo o Corpo.

domingo, 13 de março de 2011

Aniversário do Pr.Almir

A Igreja preparou um culto de Ação de Graças, neste dia 12 de março de 2011, pelo Aniversário do nosso Pastor Almir Virgens. Tivemos a presença agradável do Apóstolo Isaías, que foi o preletor da noite. O culto foi uma benção e a Honra foi enorme ! Que o Senhor conceda ao Pr. Almir, muitos anos de lutas com vitórias, ainda, conosco !












Clique aqui para ver mais fotos



segunda-feira, 7 de março de 2011

CARNAVAL, CULTURA OU ADORAÇÃO AO DIABO?

A história do carnaval que conhecemos vem da igreja católica. Que para entrar na quaresma (40 dias de jejum e penitência) passavam 3 dias comendo carne numa festa intitulada: ”o que vale é a carne ou carne vale”. Mas, a verdadeira história do carnaval vai além, nos levando aos anos antes de CRISTO.
A história do carnaval começa nos anos de 605 a 527 a.C. No princípio da nossa civilização, na origem dos rituais agrários, nas celebrações da fertilidade e para espantar os demônios da má colheita. Ás margens do Nilo homens, mulheres e crianças se pintavam e se mascaravam festejando aos deuses da fertilidade. Essa mesma festa na cultura Egípcia homenageava a deusa Isís e o Touro Apis.
O carnaval pagão começa quando Pisistráto oficializa o culto a Dionísio na Grécia, no século VII a.C. e, termina, quando a Igreja Católica adota a festa em 590 d.C.. Aos poucos, ao longo dos séculos, a festa vai tomando um rumo bastante mundano.
Em Roma comemoravam-se as Saturnais. Esses festejos eram de tamanha importância que tribunais e escolas fechavam as portas durante o evento, escravos eram alforriados, as pessoas saíam às ruas para dançar. A euforia era geral. Na abertura dessas festas ao deus Saturno, carros buscando semelhança a navios saíam na "avenida", com homens e mulheres nus. Com a evolução da sociedade grega evoluíram os rituais, acrescidos da bebida e do sexo, nos cultos ao deus Dionísio. Na Roma Antiga, bacanais e saturnais festejavam os deuses Baco, Saturno e Pã.
No séc. XV, o Papa Paulo II contribuiu para a sua evolução dessa festa mundana imprimindo uma mudança estética ao introduzir o baile de máscaras quando permitiu que em frente ao seu palácio, se realizasse o carnaval romano.

O REI MOMO
É uma das formas de Dionísio - o deus Baco, patrono do vinho e do seu cultivo, e isto faz recuar a origem do carnaval para a Grécia arcaica, para os festejos que honravam a colheita.
O rei do carnaval brasileiro tem sua origem na mitologia grega. Momo, filho do Sol e da Noite, é conhecido como o deus da sátira, do sarcasmo, do culto ao prazer e ao entretenimento, do riso, da pilhéria, das críticas maliciosas, etc. Segundo a história, ele tinha o costume de criticar os feitos de outros deuses. Uma vez, solicitado para opinar sobre obras de Zeus, Atena e Prometeu, fez-lhes severas críticas. Irados, os deuses o expulsaram do Paraíso, vindo ele cair no planeta Terra. Dizem que veio para tirar o sossego dos homens. (VOCÊ NÃO ACHA ESSA HISTORIA PARECIDA COM A DE ALGUÉM DA BIBLÍA?)
A cerimônia de coroação de Momo como rei vem do tempo da Roma antiga. Para os romanos, Momo era obeso e isso significava fartura e extravagância. Por isso, elegiam mais belo soldado da tropa romana para ser coroado rei. Como rei Momo, o escolhido podia brincar comer, beber e fazer o que tivesse vontade durante seu curto reinado. Terminada a festança, ele era levado ao altar do deus Saturno para ser sacrificado. Depois de morto, era velado e enterrado com todas as honrarias de “um chefe de estado” a cada ano era eleito um novo rei Momo.
Voltando para os dias de hoje, antes do carnaval é feita uma eleição, e é escolhido um homem, que é coroado rei, para reinar e comandar os dias da festa, que é chamado rei Momo, que nada mais é do que uma representação viva de Satanás. Nossos governantes nesse período passa a chave da cidade para as mãos do rei Momo ou seja, entrega para o próprio diabo.Não sabendo eles (ou não querendo saber) que CHAVE significa PODER, AUTORIDADE (Ap 1:18).Isso quer dizer que no período do carnaval o diabo tem toda autoridade sobre as cidades.
Nos dias de hoje não seria aceitável o sacrifício do representante do rei momo. Satanás troca essa vida (o sacrifício do rei Momo) pela vida de todos os que são brutalmente assassinados no período do carnaval.
Costumamos ouvir que essa festa é apenas alegre para brincar e se divertir e que é cultura e como cultura deve ser aceita e festejada. VOCÊ AINDA VAI CONTINUAR AÍ ACEITANDO TUDO O QUE DIZEM?


                                              LEIA E MEDITE:
                                                Romanos 8:5
“Quem vive segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja; Mas quem vive de acordo com o Espírito, tem a mente voltada para o que o Espírito deseja.”
                                                Isaias 5:20-21
“Aí dos que chamam ao mal bem e ao bem, mal, que fazem das trevas luz e da luz, trevas, do amargo, doce e do doce, amargo! Aí dos que são sábios aos seus próprios olhos e inteligentes em sua própria opinião!”.


                                         FONTES DE PESQUISA
SUA PESQUISA; ARTES; CANÇÃO NOVA; PESQUISADORA= CLAUDIA M. DE ASSIS;
PR. EVALDO FILHO; CANAL DA GRAÇA.
EDIÇÃO: CESAR E MAGALY

terça-feira, 1 de março de 2011

CARNAVAL - A FESTA DA CARNE

A palavra carnaval deriva da expressão latina carne levare, que significa abstenção da carne. Este termo começou a circular por volta dos séculos XI e XII para designar a véspera da quarta-feira de cinzas, dia em que se inicia a exigência da abstenção de carne. Assim sendo, passou a significar a despedida da carne. Este significado indicava que no carnaval o consumo de carne era considerado lícito pela última vez antes dos dias do jejum quaresmal.

Historiadores vinculam a sua procedência às festas populares em honra aos deuses pagãos Baco e Saturno. Em Roma, realizavam-se comemorações em homenagem a Baco. Os famosos bacanais eram festas acompanhadas de muito vinho e orgias, e também caracterizadas pela alegria descabida, eliminação da repressão e da censura e liberdade de atitudes críticas e eróticas.

À luz das Escrituras o carnaval é uma festa pagã que celebra as paixões carnais. Muitos, por ignorância, não vêem problema algum por se tratar apenas de uma “festa cultural”. Todavia um exame criterioso indicará que o carnaval está associado à desordem, às drogas e à imoralidade (entre outras coisas que embora lícitas, não convém). No carnaval só há uma regra: É proibido proibir! Os antropólogos consideram-no "rito de inversão", momento em que valores e hierarquias são contravertidos. Dicionários registram que a palavra "carnaval" significa confusão, desordem, orgia, inconseqüência e irresponsabilidade.

O Brasil é mundialmente conhecido como o "País do Carnaval". Muitos se orgulham disso. É lamentável que essa "festa carnal" seja definida como cultural, uma espécie de identidade nacional. Para nós, os cristãos, a tristeza é ainda maior, porque sabemos que essa festa deriva da homenagem a um falso deus, Baco, patrono da orgia, da embriaguês, dos excessos da carne, cujas conseqüências são sempre danosas.

A Palavra de Deus diz que "os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito, para as coisas do Espírito. Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz". (Rm. 8.5-6).



Postagem do Pr.Judiclay Silva Santos , retirada do blog "O CRISTÃO E A CULTURA"
Ocorreu um erro neste gadget